quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Casarão Verde: Instalação de silhuetas


Durante o 40º Festival de Inverno da UFMG em Julho de 2008 membros do grupo 1maginari0 participaram do evento Casarão Verde, uma instalação em uma casa tombada pelo patrimônio histórico e ocupada durante a noite do dia 25 de Julho, a instalação refletia sobre os Vissungos.


O projeto foi assinado pelo Núcleo Avançado de Criação Intermidiática, sob a coordenação de Fabrício Fernandino, coordenação técnica e sub-coordenação de área de Francisco Marinho, suporte técnico computacional e eletrônico por Marília Bergamo e Lucas Junqueira, coordenação de pesquisa de Sônia Maria de Melo Queiroz. Onde artistas atuaram com as seguintes oficinas: Potencialidades audiovisuais de Chico de Paula (BH), Potencialidades Cênicas de Fernando Mencarelli (UFMG), Potencialidades Musicais de Damián Rodriguez Kees (Argentina), Potencialidades Plásticas de Jorge dos Anjos (BH) e Potencialidades Poéticas de Ricardo Aleixo (BH). E participação na instalação de Henrique Roscoe.



Edição: Chico de Paula.


A primeira versão da biblioteca AS3 do grupo 1maginari0 foi criada nesse período. Assim como alguns códigos que se tornaram apoio para a exposição do conteúdo visual, textual e sonoro produzido pelos artistas e seus alunos e também o próprio grupo de apoio. Nesse post vamos detalhar uma das exposições: a instalação de silhuetas.


A instalação de silhuetas consistiu fisicamente de uma minicâmera EyeToy que é um dos acessórios do PlayStation 2, direcionada para um fundo branco iluminado. O código era responsável por interpretar as pessoas na frente da câmera, considerando tudo que estava abaixo do cinza médio como branco, e acima, como preto.

Em frente ao fundo branco iluminado, uma projeção apresentava as silhuetas e três vídeos, criados por Chico de Paula, com uma máscara alpha em formato circular. Esses vídeos se apresentavam graficamente como bolas, cada um com uma propriedade diferenciada.


  1. Azul: Cair até encontrar uma silhueta e então parar
  2. Vermelho: Cair até encontrar uma silhueta e retornar a subir
  3. Amarelo: Ficar preso no local de colisão com a silhueta

O espaço de projeção era dividido em uma grade de dezesseis pontos. Se o usuário colidisse com algumas determinas combinações de pontos na grade, imagens baseadas nos desenhos com pólvora de Jorge dos Anjos, assim como trechos sonoros cedidos por Ricardo Aleixo se apresentavam. O grupo de Fernando Mencarelli foi responsável pela definição dessas combinações.


Para a instalação foi desenvolvido o código base: camera e physics - silhouette collision.fla, que está disponível para download.


baixe o exemplo camera e physics - silhouette collision


Esses códigos necessitam das classes da biblioteca AS3 do grupo 1maginari0:


/imaginario/camera/silhouetteViewer.as

/imaginario/ physics/fallBitmap.as


baixe o pacote de classes AS3 1magiári0



quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Caixa de Jóias - Jewel Box






---------------- English -----------------------

The project Jewel box is a multitouch screen (Adicional information can be found in portuguese on the web interview for André Deak). It works as a imagenary diary from the chacacter of the child fary tale "The Little Match Girl". The piece was produced as a master degree project from Marília Bergamo, over constant supervion and contribution from the professors Francisco Carlos de Carvalho Marinho, Jalver Bethônico and Heitor Capuzzo.

For better undestanding of the piece, such as tecnical and conceptual details can be found (also in portuguese) over the pdf documento Cap 9 - Caixa de Jóias Pesquisa e Experimentação em Arte Computacional Interativa, from the dissertation presented in 4th of July 2008.

To sum up, Jewel Box was presented trê times, first over the master degree presentation in 4th of July 2008. Secondly over the School Galery on 21th of August 2008 - as one of the pieces produced on the couse of Computer Art Atelie ministred by Francisco Marinho and Jalver Bethônico on the first semester of 2008 on the post graduation course of the School of Fine Arts. And finally, from 18th ti 21th of November on the Exposition of Digital Arts, on the rector buiding of UFMG, curated by Francisco Marinho e Jalver Bethônico, suported by Professor Ronaldo Pena, Professor Heloísa Starling, Reuni team and CAC.

The code developed for the research project are also available to downloand as aplicativoCaixaDeJoias.zip. Again is recomended the reading of the pdf documentationCap 9 from the master degree dissertation to compreehend the necessary resources. Adicionally is necessary the use of the open sourceTouchLib available by NuiGroup, and the program languageProcessing also some libraries such as: gifAnimationfrom Patrick Meister and reacTIVisionTUIO from Martin Kaltenbrunner.

In the last exposition, in November the software TouchLib was replaced by TBeta, also from NuiGroup, because of updating problems on the driver of the webcam.

---------------- Portuguese ---------------------

O projeto Caixa de Jóias é uma tela multitoque(informações adicionais na entrevista para André Deak) que funciona como um diário de uma personagem do conto "A menina que vendia fósforos". A peça foi produzida para o projeto de Mestrado de Marília Bergamo, sob constante contribuição e orientação dos professores Francisco Carlos de Carvalho Marinho, Jalver Bethônico e Heitor Capuzzo.

Para melhor compreensão da peça em si, detalhes técnicos e conceituais, aconselho a leitura do Cap 9 - Caixa de Jóias Pesquisa e Experimentação em Arte Computacional Interativa, da dissertação apresentada no dia 04 de Julho de 2008.

Em resumo, Caixa de Jóias foi exposta três vezes, uma no dia 04/06 na defesa do Mestrado. Na Galeria da Escola de Belas Artes no dia 21 de Agosto de 2008 – como uma das peças que fizeram parte da disciplina Ateliê de Arte computacional oferecida no primeiro semestre de 2008 por Francisco Marinho e Jalver Bethônico no Curso de Pós-Graduação de Belas Artes. Por fim, nos dias 18 a 21 de Novembro de 2008 na Exposição de Arte Digital, no saguão da reitoria da UFMG, amostra sob coordenação dos professores Francisco Marinho e Jalver Bethônico, com o apoio do Prof. Ronaldo Pena, Profa. Heloísa Starling, Equipe do Reuni e CAC.

Os códigos desenvolvidos para o projeto de pesquisa também estão disponíveis no arquivo aplicativoCaixaDeJoias.zip. Novamente, recomendo a leitura do Cap 9 da dissertação para a compreensão dos recursos necessários. Em resumo, é preciso o uso do software TouchLib disponibilizado pelo NuiGroup, Do programa Processing e de algumas bibliotecas específicas: gifAnimation de Patrick Meister e reacTIVision TUIO de Martin Kaltenbrunner.

Em sua ultima exposição, em novembro o software TouchLib foi substituído pelo software TBeta, também do NuiGroup, por problemas de atualização do driver da webcam.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Usando vários monitores no Windows em aplicativos Flash

Um recurso que usamos constantemente é a distribuição de uma imagem em vários monitores. Com isso podemos, por exemplo, aumentar a área de uma projeção usando várias saídas de vídeo de um computador.

Até o lançamento do Windows Vista isso era simples de se conseguir nos sistemas da Microsoft. Bastava usar uma placa de vídeo com várias saídas, como as mais comuns da nVidia, e, usando o driver do fabricante, extender a área do desktop usando o "span mode", onde o computador via todas as saídas como uma só área de trabalho comprida. Para nosso milagre de extensão da tela bastava que o programa fosse maximizado: ele ocupava todas as saídas de vídeo conectadas.

Com a chegada da versão nova do sistema, esse modo milagroso foi retirado (segundo a nVidia é impossível ativar o modo span devido à estrutura de vídeo do Windows Vista). Temos agora apenas o antigo "modo clone", onde uma mesma imagem é mostrada em todas as saídas, e o modo "extended" em que o desktop é esticado em vários monitores mas o computador os reconhece isoladamente. Pior: devido a essa questão no Vista, a nVidia retirou permanentemente das versões mais novas de seus drivers o modo span, mesmo no Windows XP.

Isso não seria problema caso não houvesse uma grande limitação do windows: uma janela não pode ser maximizada para um tamanho além da resolução do mointor em que ela está. Falando de uma forma prática, caso tenhamos duas saídas de vídeo a 1024x768 cada poderíamos mostrar uma janela de tamanho máximo de 1024x768, e não 2048x768 como precisamos para estender nossa imagem pelas duas saídas.

Vários programas burlam essa limitação, como o próprio Flash, mas para isso é preciso que a janela não esteja maximizada, o que é um problema para instalações, já que seus contornos continuam sendo exibidos. Mais um problema: ainda existe o limite de 2880 pixels como largura máxima de um filme flash, então nada de três ou mais monitores/projeções (caso cada um use resolução de 1024x768 ou maior).


Solucionando com um "truque"

A saída que encontramos não é exatamente "bonita", mas é capaz de estender um filme flash em vários monitores (testamos em 2, 3 e 4 usando duas placas nVidia 9600GT conectadas a um mesmo computador). A solução usa o Mozilla Firefox (que também burla o limite do tamanho de janelas), um de seus complementos e um pouco de javascript. O princípio é simples: importamos o filme Flash em uma página HTML com dimensões definidas como "100%" tanto para largura quanto altura. Abrimos ess página no Firefox e ativamos o modo "tela inteira (F11)" que, com o complemento "Full Fullscreen", não exibe nenhum tipo de barra de informações, navegação, etc. Em seguida, ativamos o código javascript que estenderá a tela do firefox por todos os monitores.

Detalhando um pouco mais...

1. Instale o Mozilla Firefox: www.mozilla.com

2. Instale o complemento Full Fullscreen: addons.mozilla.org/pt-BR/firefox/addon/1568

3. Crie um arquivo HTML contendo seu filme Flash e o código javascript (nesse caso, o javascript é chamado 1 segundo após a página ser carregada para dar tempo de ativarmos o modo "tela inteira (F11)" ANTES que ele seja executado - você não precisa carregar o filme flash usando um javascript externos já que o código não será executado no MS Internet Explorer:

<html><head><title>application container</title>
<style type="text/css">
<!--
body {
background-color: #000000;
margin-left: 0px;
margin-top: 0px;
margin-right: 0px;
margin-bottom: 0px;
}
-->
</style><script type="text/javascript">
var t = setTimeout("resizeWindow()",1000);
function resizeWindow() {
self.moveTo(0,0);
top.resizeTo(2048,768);
}
</script>
</head><body>
<object classid="clsid:D27CDB6E-AE6D-11cf-96B8-444553540000" codebase="http://download.macromedia.com/pub/shockwave/cabs/flash/swflash.cab#version=9,0,28,0" width="100%" height="100%"><param name="movie" value="flash.swf"><param name="quality" value="high"><embed src="flash.swf" quality="high"
pluginspage="http://www.adobe.com/shockwave/download/download.cgi?P1_Prod_Version=ShockwaveFlash" type="application/x-shockwave-flash" width="100%" height="100%"></embed>
</object>
</body></html>


4. Abra esse arquivo com o Firefox e pressione F11. Após 1 segundo a imagem ocupará todos os monitores (que já devem estar ligados na resolução correta - nesse caso todos a 1024x768).

O código acima cria um arquivo para ser exibido em duas projeções de 1024x768 pixels cada e funciona tanto no Windows XP quanto no Windows Vista. Para 3 ou mais projeções, lembre-se que o limite de largura de um filme Flash é 2880, então o crie proporcionalmente para que quando seja esticado não perca seu aspecto correto (sim, o Firefox estica o filme Flash para além do limite - usando apenas gráficos vetoriais não se percebe problemas na visualização).