quinta-feira, 23 de abril de 2009

Poeminhocas



Poeminhocas é uma série de três versões de obras de arte computacional que relaciona poesia escrita, visual e gestual. A interface de Poeminhocas permite que dois usuários possam interagir com o sistema e entre si. Cada usuário porta uma fonte de luz infra vermelha que é captada por sensores da câmera do "nunchuck"(joystick do nintendo wii). Essa coordenada é fornecida ao software (via comunicação bluetooth) que projeta no ponto captado a imagem de um círculo.

Várias minhocas desenhadas por junções de letras vagam caoticamente pelo ambiente. Ao acender-se uma fonte de luz infra vermelha, as minhocas são atraídas pela luz e convergem para seu interior. O usuário pode caminhar com a luz IR(infra vermelha) sob a câmera que registrará seus movimentos transformando-os em coreografias gráficas e visuais dinâmicas. Uma vez que os dois usuários estejam com as luzes ligadas e as minhocas caóticas sejam totalmente engolidas pelo círculo (com coordenadas da fonte de luz) começa um diálogo visual entre os círculos que representam o interator no ambiente digital imagético. De cada círculo parte um verso/palavra de poema que caminha em direção ao outro círculo estabelecendo um outro tipo de leitura e textualidade amparada na escrita e na performance gestual dos interatores.

A metáfora poética que subjaz ao sistema é "do caos ao logos/poiésis pela luz"

A primeira versão do poeminhocas foi apresentada no Festival de Inverno da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)em Diamantina em 2008. A segunda versão foi apresentada em uma mostra de arte computacional na Faculdade de Ciências Econômicas (FACE) UFMG. E a terceira versão foi apresentada junto com outras obras de arte computacional do grupo 1maginári0 no sagão da Reitoria da UFMG em 2008.

Programação: Francisco Marinho e Gustavo Morais Gushm

Nenhum comentário:

Postar um comentário